Artigo 477 da CLT: mudança autoriza multa por ausência da entrega dos documentos da rescisão no prazo legal

Ctps Blog Total Contábil Assessoria - Contabilidade em Pirituba - SP | Assessoria Total
Multa por entregar documentos de Rescisão contratual do funcionário fora do prazo

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

 

“Para as rescisões ocorridas a partir de 11/11/17, segundo a nova redação do artigo 477, parágrafo 6º, da CLT, conferida pela reforma trabalhista, passou a ser necessária a realização de dois atos no prazo de 10 dias da rescisão:

– o pagamento das verbas rescisórias e

– a entrega ao empregado dos documentos comprobatórios da comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes.

Descumprido qualquer um desses requisitos, passou a ser aplicável a multa do parágrafo 8º do mesmo dispositivo. A Súmula regional nº 48 encontra-se desatualizada”.

A decisão é dos julgadores da 10ª Turma do TRT-MG, ao manter sentença do juízo da Vara do Trabalho de Cataguases, em ação ajuizada pelo Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade de Cataguases e Região contra uma empresa do ramo de conservação e limpeza.

A empresa havia sido condenada a pagar a multa do artigo 477 da CLT aos empregados (substituídos na ação pelo sindicato), por falta da entrega dos documentos comprobatórios da rescisão, embora as verbas rescisórias tenham sido pagas no prazo legal. Por unanimidade de seus membros, o colegiado de 2º grau manteve a condenação da empresa, acolhendo o voto da relatora, desembargadora Maria Laura Franco Lima de Faria, que julgou desfavoravelmente o recurso da reclamada.

A empresa não se conformava com a condenação. Afirmou ser irrelevante a data em que foi feita a homologação das rescisões, pois esse ato teria deixado de ser obrigatório com a Lei nº 13.467/17. Sustentou que o pagamento dos acertos rescisórios dentro do prazo legal, como fez em relação a todos os empregados substituídos, seria suficiente para afastar a incidência da penalidade. Mas não foi esse o entendimento adotado na sentença, nem pela 10ª Turma do TRT-MG.

A modificação vinda com a reforma trabalhista – Em seu voto, a relatora pontuou que o parágrafo 6º do artigo 477 da CLT, na redação original, dispunha apenas sobre os prazos para “pagamento das parcelas constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação” – que, quando descumpridos, levavam à aplicação da multa prevista no parágrafo 8º da norma.

Tanto era assim, que a Súmula nº 48 deste TRT, partindo da interpretação restritiva da regra, dispunha que: “A aplicação da multa prevista no parágrafo 8º do artigo 477 da CLT está restrita à falta de pagamento das verbas rescisórias no prazo fixado pelo parágrafo 6º”.

Entretanto, a partir de 11/11/17, com a edição da Lei nº 13.467/17 (mais conhecida como reforma trabalhista), a matéria sofreu sensível alteração.

Isso porque o artigo 477, parágrafo 6º, da CLT, passou a exigir a realização de dois atos no prazo de 10 dias da rescisão:

– o pagamento das verbas rescisórias e

– a entrega ao empregado de documentos comprobatórios da comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes.

Descumprido qualquer um desses requisitos, passou a ser aplicável a multa do parágrafo 8º do mesmo dispositivo, cuja redação permaneceu intocada”, destacou, acrescentando que, com isso, a Súmula nº 48 deste TRT ficou desatualizada, perdendo toda a eficácia.

O caso concreto –

A ação ajuizada pelo sindicato contra a empresa discutia contratos de trabalho extintos em fevereiro de 2019. Os documentos apresentados provaram que todos os acertos rescisórios foram pagos, mediante depósito bancário, dentro do prazo de 10 dias, previsto no parágrafo 6ª do artigo 477 da CLT.

Todavia, a empresa não demonstrou que, nesse mesmo prazo, foram entregues aos empregados os comprovantes da comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes (o que poderia ter sido feito por meio do extrato do Caged ou das guias CD/SD).

Na verdade, a reclamada nem mesmo alegou que cumpriu com a obrigação de entregar aos empregados os documentos relativos à rescisão contratual. Nesse quadro, de acordo com a relatora, mostrou-se correta a sentença, ao impor à empresa a multa do artigo 477, parágrafo 8º, da CLT.

A desembargadora fez questão de registrar que a aplicação da penalidade à empresa não decorreu do atraso na homologação sindical das rescisões, tendo em vista que, diante da revogação do parágrafo 1º do artigo 477 da CLT, essa formalidade deixou de ser obrigatória.

“A multa foi imposta, tão somente, pelo fato de a empresa ter se descuidado do dever de entregar aos empregados dispensados os documentos aptos a comprovar a comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes, na forma da lei”, frisou a julgadora.

Fonte: TRT3 (MG) – Tribunal Regional do Trabalho da 3ª (Terceira) Região – Minas Gerais

Comentário do Contador:

Com a Reforma Trabalhista, duas mudanças importantes foram aprovadas na questão da homologação:

1ª os sindicatos que faziam as homologações saíram de cena e o acerto passou a ser realizado na própria empresa.

2ª O prazo para pagamento da quitação passou a ser padronizado. Ou seja, após o encerramento do contrato(data da demissão) a empresa tem 10(dez) dias para fazer o acerto com o funcionário.

Porem, em alguns casos a empresa faz o acerto financeiro dentro deste prazo(10 dias) e agenda com o funcionário o acerto em data futura, após os 10 dias. Com a decisão do TRT Mineiro, cabe a empresa não só o acerto financeiro com o funcionário, mas também a entrega de todos os documentos(Termo de quitação, Seguro Desemprego, Comunicado de saque e outros) dentro dos 10 dias.

Para concluir, é bom lembrar que ao desligar um funcionário, é de suma importância o envio para a contabilidade da carta do Aviso Prévio já com a assinatura do funcionário.

 

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

45109e88 6a70 491a Aa48 E098d1030a58 - Contabilidade em Natal - RN | AZEVEDO CONTABILIDADE

Regimes tributários possíveis para sociedades de advogados

No texto de hoje falaremos sobre alguns regimes tributários  possíveis para as sociedades de advogados e a incidência de impostos e contribuições federais para as mesmas, conforme o regime tributário adotado.  SIMEI  Esse sistema só é possível para profissionais que

Ae382da3 7cdd 483a A845 0d9e688ae283 Contabilidade Em Natal Rn | Blog Azevedo Contabilidade - Contabilidade em Natal - RN | AZEVEDO CONTABILIDADE

Investimentos isentos de Imposto de Renda

Ainda existem muitos mitos sobre aplicações financeiras e impostos que afastam possíveis novos investidores. Muitos ainda se perguntam se serão obrigados a declarar Imposto de Renda (IR) sobre o que investirem. A resposta é depende, nem sempre!  Existem muitos investimentos

E468b212 14d4 499e Ba91 B720390a35a1 - Contabilidade em Natal - RN | AZEVEDO CONTABILIDADE

Transação excepcional de dívidas com a PGFN

Foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) a Portaria nº 14. 402/2020, de 17 de Junho de 2020. A publicação estabelece novas condições para a transação excepcional na cobrança de créditos administrados pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN). 

4f58f609 61a3 4ae6 81b4 D39bf053a95e - Contabilidade em Natal - RN | AZEVEDO CONTABILIDADE

Registro Público: Confira as alterações

Com o objetivo de simplificar os atos normativos de registro público de empresas, no dia 1º de Julho de 2020 entrou em vigor novas regras do DREI – Departamento de Registro Empresarial e Integração. De acordo com a nova Instrução

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Você ou sua empresa movimenta ou movimentou a partir de…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat